A TODOS DA FAMÍLIA C.L.A. ( CENTRO LUZ DE ASAS )

Agradecemos muito ao nosso mestre Jesus, os seus dignatários espirituais que cumprem as designações do mestre, que vem mantendo o nosso país aquecido com a presença dos raios solares. Ainda é algo que, nós os encarnados e desencarnados, por falta de compreensão na plantação do bem e falta de conhecimento na íntegra do mundo espiritual desconhecemos. Graças ao nosso bom Deus, estamos na estrada do conhecimento, cada um na sua velocidade. O mestre continua confiando no progresso da humanidade, que obviamente não é o mesmo tempo do mundo espiritual, não compreendemos. Pois é muito diferente do tempo que conhecemos. A horda negra insiste, mas o mestre ainda continua de bom humor e com muita paciência. Revelando até a ajuda que damos a horda negra, com nossa densidade, mente egoísta e imediatista. Mas abençoado os que praticam a confiança com orações, não aquelas da língua somente, mas as feitas de coração. Que com seu entendimento se alia aos seres, que não confiam nos lobos televisivos, mas quem sentem a paz no coração. Que a horda branca do mestre possa a cada dia eliminar um pouco dos vampiros mentais, que estão assolando os viventes do planeta, utilizando irmãos desencarnados e encarnados como escravos, (verdadeiros zumbis), na tentativa da derrocada dos seres de bem. Por esta razão cada dia mais, para alguns que acreditam na espiritualidade, auxiliem com bons pensamentos, mentalizações de crescimento, conquistas para o planeta, nosso país e para nós mesmos. Continuem auxiliando na mentalização dos raios solares, no planeta, no país, no seu estado, município, bairro, rua, casa, local de trabalho, nas pessoas que lhe são caras. Excelente dia...

MENSAGEM RECEBIDA PELO NOSSO ORIENTADOR ESPIRITUAL ANJO NEGRO (02 DE ABRIL DE 2020)

Bom dia a todos da família C.L.A. (Centro Luz de Asas). Que possamos agradecer ao Divino Mestre, que desde o início da formação, (vide: A caminho da Luz – Chico Xavier – Emmanuel), nunca nos desamparou e continua intercedendo por nós, terraquianos, quer na carne ou na erraticidade. Compreendamos a mensagem que recebemos. Obviamente cada qual nesses bilhões de habitantes encarnados, trilhões de desencarnados, que entenderão, a sua maneira, que lentamente teremos outras, individuais ou coletivas. Como as infecções de gargantas que vocês tiveram na infância, que para a cura tomava-se Bezetacil, onde a dor era intensa, mas era o remédio necessário. Muitos ficavam com a perna dura, sentavam de lado e após alguns dias tudo voltava ao normal. Até a infecção se repetir, por não seguir as solicitações das respectivas mães, o que elas pediam. Repetia-se o fato novamente, a Bezetacil e todo o processo obviamente com os efeitos colaterais, no futuro, principalmente na dentição. Sao passadas muitas mensagens, como as que receberam, através de imagens como a do Sr. Rolando Boldrin (https://youtu.be/yu3C0zWiZTE) e outros que vem de várias partes do mundo com os mesmos fundamentos. Mas antes de sermos a coletividade somos a individualidade criada pelo Deus de todos os Universos. Na qual nem me atrevo a tentar entender, somente posso pensar nele como o criador das Galáxias no Universo e das Galáxias de Vossos corpos humanos e a nossa constituição hoje. Por tanto meus irmãos do C.L.A. e fora dele, a mensagem é a respeito da melhoria contínua, se preparando para quando fecharmos os olhos de volta de onde viemos. Mas como digo sempre, “Ainda não...

26 DE JULHO – DIA DE NANÃ BURUQUÊ

BOM DIA A TODOS 26 de Julho é Dia de Nanã Buruquê. Sincretizada com Santa Ana ou Sant’Ana que é a Mãe de Nossa Senhora e Avó de Jesus. Nanã é a Senhora dos Lagos, Nanã quer dizer a Avózinha, Nanã é minha avó, é uma maneira de se referir aquela que é a mais velha. Buruquê vem de Buru e Ikú, Ikú quer dizer morte, inclusive existe um Orixá que se chama Ikú, Orixá da morte que pra nós está no campo no Omolu. A mãezinha que nos protege de uma morte ruim, é a protetora nesse campo. O seu ponto de força são os lagos, ou rios muito largos onde a água corre muito lentamente, assim como é o andar e o caminhar do mais velho, lento. São o estereótipo do Preto e da Preta Velha No negativo as filhas de Nanã Buruquê podem se tornar ranzinzas, mas no positivo são pacientes, tranquilas, são muito sossegadas. Nanã tem uma força decantadora, é uma água parada, onde você joga uma pedrinha e isso é puxado ao fundo, isso puxar ao fundo é uma força decantadora. Nanã lida muito com os aspectos do nosso inconsciente. Quando nós vamos encarnar toda a nossa memória ancestral e milenar tem que ser adormecida, apagada, guardada e isso tudo vai para o nosso inconsciente. Quem puxa toda a memória para o inconsciente é Nanã Buruquê, é como se o seu cérebro, a sua mente metaforicamente é como um lago em que Nanã puxa tudo lá pra baixo para o inconsciente e fica tudo ali guardadinho. Ela lida muito bem com os aspectos negativos...

O VENTO

BOA TARDE AMIGOS E IRMÃOS DE FÉ ! O VENTO  Certa vez, uma senhora foi até Uberaba e lá, diante do Chico, começou a se queixar de que não conseguia nada do que precisava, mesmo trabalhando na Doutrina e orando dia e noite. Ao ouvir suas queixas, Chico lhe disse: – Quando a gente tem fé, quando confia, eles ajudam, minha filha! Uma vez, em Pedro Leopoldo , eu ensinava catecismo às crianças, mas, um dia, me proibiram. Eu ensinava catecismo para quarenta crianças… e fui proibido porque me tornara espírita. Fiquei em casa. Mas as crianças queriam o tio Chico… Então as famílias levaram as crianças lá em casa. E eu fiquei com muita pena, porque na igreja elas tinham lanche. Já eram duas horas e eu só tinha água e uns pedacinhos de pão em casa. Eram quarenta crianças… Como eu iria alimentar aquelas crianças? Eu fiz uma prece e pedi a Deus que me ajudasse, porque elas não podiam ficar sem comer. Como é que eu iria fazer? Estávamos embaixo de uma árvore. E, então, um vento muito estranho começou a balançar as folhas da árvore. O vento uivava entre os galhos daquela árvore. Uma vizinha saiu e perguntou: — Chico, que é isso? Que barulho é esse? — O vento… — O vento?!… E essas crianças aí? — Catecismo!… — Você não deu nada para elas comerem? — Não tenho!… — Oh, Chico! Eu tenho, aqui, bolo e pão. E a outra vizinha do lado também apareceu e perguntou: — O que foi isso, Chico? Que vento foi esse? — O vento… — E essas...