Lenda dos Ibejis

Os gêmeos, filhos de Xangô e Oxum, adoravam brincar e se divertir. Tinham predileção por tocar seus tambores mágicos, presentes de Iemanjá, sua mãe adotiva. Por esse tempo, Icu, a Morte, havia colocado armadilhas por todo o caminho, que ninguém conseguia desarmar. E as pessoas morriam. Os Ibejis decidiram derrotar a morte. Foram por um caminho onde havia posto uma armadilha. Um foi pela trilha, o outro, escondido na mata.  Aquele que seguia pela trilha, tocava o tambor mágico. A morte adorou e o avisou da armadilha, poupando-lhe a vida. E a Morte dançava. Quando se cansou, um gêmeo trocou de lugar com o outro e prosseguiu com a música. E a Morte dançava. Ao longo do tempo e do caminho, o tambor não parava. A morte foi se cansando, mas não conseguia interromper a dança. Pediu para que a música parasse. Os Ibejis, então, disseram que parariam a música desde que a Morte retirasse as  armadilhas. Ela concordou. Assim, os Ibejis venceram Icu, a Morte.   LENDA TIRADA DO DICIONÁRIO DE UMBANDA – ADEMIR BARBOSA JÚNIOR – PG. 122...

27 de Setembro – Dia de São Cosme e Damião

LINHA DE YORI. Espíritos evoluídos que se manifestam como crianças, serenas ou um pouco vivazes, compõem a Linha de Yori. A maioria gosta de se sentar ao chão, outros de andar de lá para cá. Apreciam bastante os doces. Seus pontos cantados ora são alegres, ora tristes, com constantes evocações ao Papai  e a Mamãe do Céu. As crianças ensinam ao mais sisudo dos médiuns e/ou aos irmãos da assistência a importância da alegria, da leveza, do lúdico, do despertar e dos cuidados para com a criança interior. Além disso, nos lembram do respeito ás crianças encarnadas, conforme o conselho do próprio Mestre Jesus, quando pede que deixem as crianças chegar até Ele. Nas giras de alguns templos dão consulta. Em outras, interagem, conversam, benzem e cruzam os presentes. Sempre alegram e purificam o ambiente. Em sua festas, em algumas casas, por influência dos Cultos de Nação, é servido caruru, o qual é servido primeiro aos espíritos da Linha de Yori, depois ás crianças encarnadas presentes, sendo que todos devem comer com as mãos. Depois o caruru é servido aos adultos, que comem com talheres ou, se preferirem, também com as mãos. TAMBÉM CONHECIDOS COMO IBEJIS Formado por duas entidades distintas, indicam a contradição dos opostos que se completam. Tudo o que se inicia está associado aos Ibejis: nascimento de um ser humano, a nascente de um rio tc. Responsáveis em zelar pelo parto e pela infância, bem como pela promoção do amor e da união. Na Umbanda, em vez de se cultuar diretamente os Ibejis ( Orixás), é mais comum cultuar-se a Linha de Yori. Sincretismo: São Cosme...

REENCONTRO

Boa tarde. REENCONTRO. Quando nasceu, a felicidade brilhava em seus olhos, às vezes um olhar inseguro e inocente. Na medida em que crescia, percebia que o mundo não era tão bom assim. Por muitas vezes se perguntava o porquê de estar ali e cada vez as respostas lhe falhavam. Queria sempre fazer algo e não sabia por onde começar, não tinha bons exemplos. Mesmo assim ele procurou, procurou até se cansar. Sua vida não tinha uma direção e nenhuma atitude havia tomado. Um canto lindo e suave vinha por sua janela em uma tarde de sol. Descendo as escadas, correu para acompanhar aquele som lindo de voz suave, ás vezes uma voz grave. Foi caminhando até chegar à porta de um templo de onde o som vinha, adentrou e sentou-se e curioso foi observar detalhes e mais detalhes. Seus olhos se encharcaram de lágrimas. Claro, algumas desceram sobre a sua face, não eram lágrimas de tristeza, mas sim de felicidade. Como se de repente,várias mãos o abraçassem. Uau! Que reencontro ele teve consigo próprio. Com o passar do tempo ele adentrou, quanto mais o tempo passava mais ele ia se descobrindo e colocando sentido à vida e às pessoas. Ele cresceu, cresceu muito e hoje ele se dedica em ajudar aos outros. Moral: Precisamos estar ligados a uma religião, para que assim a vida não fique sem sentido e sem foco. As respostas estão todas dentro de você, basta você acessá-las e a religião tem o propósito de religar o homem a Deus. Ensine a seus filhos o valor da religiosidade para que assim sua caminhada se torne benéfica...

Ausência no terreiro

EXU E MOJUBÁ Depois de vários dias sem ir ao templo me arrumei e fui, chegando lá meus irmãos e meu sacerdote estavam muito preocupados por que eu havia sumido. Me fizeram várias perguntas, mas eu nem respondi, fiquei muito incomodado e eu a pensar: Que povo curioso, não tenho que dar satisfação a ninguém, quanta bobagem. O rito se inicia e o exu ao chegar diz: -Eu quase que não vim hoje, estou com muitos problemas e vocês nada podem fazer para me ajudar. Estou aqui apenas por estar e não venham me perguntar qual é o meu problema por que vocês não tem nada com isso, se virem aí, como der, por que como estou passando por problemas não posso ajudar em nada. O Exu vira para meu lado e pergunta- Não é verdade moço? Fiquei tão surpreso que nem soube o que responder. Na hora que ele começou a falar, no fundo eu sabia que era para mim e ele insistia em perguntar, não é verdade moço? O Exu se aproximou de mim e foi logo me fazendo outra pergunta: – Você sabe o que é um templo? E eu disse: – Um templo é um lugar aonde as pessoas vão à procura de ajuda. Exu: Um templo é muito mais que isso, você sumiu e não deu satisfação para ninguém, seus irmãos e seu sacerdote ficaram todos preocupados com você, foram atrás e você nem os respondeu. Aqui é uma família onde todos se ajudam, aqui é um lugar onde a responsabilidade é cobrada. -Como poderíamos te ajudar se você nem nos comunicou? -Se estava...